quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Emigrar Não



Emigrar!
 Que palavra dura, mas tão badalada no nosso quotidiano, que quem ainda não conheceu, pode a qualquer momento (parece fácil dizer isto), desejar ardentemente.
Emigrar!
Emigrar não, melhor dizendo correr em busca da liberdade que o meu país me fechou, embrulhado nos gabinetes floridos de rosas encarnadas e pernas entrelaçadas.
De onde é conduzido por governantes incapazes, com promessas falsas como judas, iludindo na altura o povo já martirizado em quedas sucessivas, por governos fratricidas.
Emigrar!
Emigrar não, conquistar a utilidade, para enfrentar a sociedade. Repleta de lobisomens camuflados, que gananciosos de poder e lucro, conseguem o mudar da lua e sistematicamente surgem ferozes e babados de raiva, em luas cheias constantes.
Emigrar!
Emigrar não, agarrar o futuro com ganas de vencedor seja na segurança do apoio terrestre, seja em enormes degraus a tocar o céu e assim bem perto de Deus.
Emigrar!
Emigrar não, deixar a tristeza e a descrença para trás, que se implantou como ervas daninhas, neste país com tanto sol para dar e vender. E brindado com a natureza tão bela e refrescante, do tamanho da bondade divina.
Emigrar!
Emigrar não, ficar uns meses afastado da família. Ai, ai, como custa. Mas a cada salto da cama, ainda a noite convida ao soninho, saborear a certeza de que a distância é mais curta. Em oferecer mil abraços e matar a sede do corpo através do amor que invernou, numa promessa a dois, cem vezes repetida.
Emigrar!
Emigrar não, conhecer e partilhar novas cidades e vilas. Pessoas de diferentes religiões e línguas, que se tornarão amigas, entre soluços e alegrias. E deixar o suor e sangue, infiltrado nas obras à vista por esse mundo fora.

2 comentários:

pvnam disse...

-> Venda da energia aos chineses, dos cimentos aos brasileiros, da comunicação social aos angolanos, etc...
-> E mais, substituição populacional de autóctones: pessoal que não se preocupa em construir uma sociedade sustentável (média de 2.1 filhos por mulher)... e que critica a repressão dos Direitos das mulheres… em simultâneo, para cúmulo (!!!),… defende que... se deve aproveitar a 'boa produção' demográfica proveniente de determinados países ['boa produção' essa... que foi proporcionada precisamente pela repressão dos Direitos das mulheres]… para resolver o deficit demográfico na Europa(!);
.
-> A NAÇÃO está a ser desmantelada... e já há quem esteja a posicionar-se: José Luciano Correia de Oliveira número dois do SIS foi contratado pelas autoridades chinesas - o 'protectorado' é estratégico para os chineses... Angola fará o mesmo...
.
-> Quem só vê um palmo à frente do nariz... anda por aí, de década em década, numa alegre decadência 'kosovariana'.
--->>> Não vamos ser uns 'parvinhos-à-Sérvia'... antes que seja tarde demais, há que mobilizar aquela minoria de europeus que possui disponibilidade emocional (e coragem) para se envolver num projecto de luta pela sobrevivência... e SEPARATISMO-50-50!...
{OBS: Uma NAÇÃO é uma comunidade de indivíduos de uma mesma matriz racial que partilham laços de sangue, com um património etno-cultural comum... uma PÁTRIA é a realização e autodeterminação de uma Nação num determinado espaço.}
.
.
Anexo:
Nazismo não é o ser 'alto e louro'... mas sim a busca de pretextos (adoram evocar/inventar pretextos) com o objectivo de negar o Direito à Sobrevivência de outros!...
Os nazis-económicos ["vale tudo no sentido de promover o crescimento económico"] não ficam mesmo nada atrás dos nazis-hitlerianos: muitos povos autóctones, considerados economicamente pouco rentáveis, foram já completamente exterminados: veja-se, por exemplo, aquilo que foi feito aos povos nómadas americanos que acompanhavam as migrações dos bisontes.
{uma curiosidade: existe pessoal que pretende transformar num assunto TABU o extermínio de Identidades Autóctones - em França não são permitidas as estatísticas de conteúdo étnico}
A superclasse (alta finança internacional - capital global, e suas corporações), com os seus mercenários/marionetas, pretende conduzir os países à IMPLOSÃO da sua Identidade (dividir/dissolver identidades para reinar)...

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Infelizmente, cada vez há mais gente obrigada a dizer Emigrar, sim!
Um Feliz Natal e que 2013 seja o melhor possível.