terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Existe Espaço para o Casamento do Mesmo Sexo


O PS levantou a possibilidade de durante a legislatura agora quase no seu termo, de avançar com o casamento homossexual.
Durante esses quatro anos, amiúde se falou sobre esse tema. Com os mesmos, através de concentrações pacíficas, reivindicarem um direito e lutarem contra a obscuridade que os obriga a refugiarem-se para viverem uma união não reconhecida por uma sociedade amedrontada e agarrada a princípios ancestrais da união criada por Deus entre o homem e a mulher.
A JS, forçava que o casamento homossexual, fosse um tema a abranger debates alargados a nível nacional e pautava-se por uma aprovação do mesmo, aproveitando do PS governar Portugal e com isso fazer valer o seu ponto de vista.
O tempo foi passando e de longe a longe lá assistíamos à JS, voltar ao assunto e chamar a si os holofotes da ribalta com o casamento homossexual, como bandeira de uma cruzada contra a abolição dos preconceitos de uma Sociedade enraizada em princípios retrógrados e escrava da negação fanática pela igreja.
Também assistíamos em determinados momentos à constante lembrança por parte do BE, para a legalização do casamento dessa gente que no mínimo são diferentes. E querem partilhar uma vivência conjunta com o mesmo sexo e como tal têm todo o direito a usufruir dos mesmos direitos de qualquer cidadão.
Apregoam eles. Ainda poucos que dão a cara,( mas muitos relegados na escuridão das catacumbas para partilharem uma ligação), que são iguais a qualquer um de nós, dentro da diferença de uma opção. E penso eu, com toda a legitimidade numa Sociedade em constante ebulição para o bem e para o mal.
Neste momento por razoes óbvias que irei explanar, chegou a hora de se decidir se, o casamento homossexual será ou não a curto prazo um acto banal e como fazendo parte integrante da nossa vivência diária.
Como estamos em ano de eleições, que se aproximam a passos largos, o PS numa jogada característica nestas alturas. Lançou, este tema ainda tão repugnante para uma faixa da população, conseguindo como aliados toda a camada de gays e lésbicas, que respirando fundo vêem uma luz ao fundo do túnel para a concretização de um sonho que se estava a enferrujar num mito de negação irremediável.
Também o PS, com o lançamento desta tocha meia olímpica, porque ainda a procissão vai no adro, procura roubar votos ao BE, (totalmente a favor da legalização e um dos acérrimos promotores), que se está a tornar numa ameaça para os objectivos do PS, que são como já nacionalmente difundidos a continuação da maioria absoluta.
Mas o reverso da medalha não tardou e a igreja ameaça junto dos seus paroquianos sensibiliza-los para que votando PS, estão a votar no diabo porque o PS, vai cometer o pecado mortal de permitir o casamento entre duas pessoas do mesmo sexo.
No meio de toda esta celeuma e pelo que assistimos ao debate, primeira iniciativa séria.Que juntou os que estão a favor PRÓS e os que meu Deus isto é um sacrilégio CONTRA, a batalha vai ser de gladiação!
Espera-se grandes figuras públicas que possam dar a cara, tanto no assumir uma causa que já meia Europa legalizou ou vai a caminho disso. Como totalmente desfavorável a uma mais cedo ou mais tarde aceitação de uma aliança de dois sexos irreversível.
As posições estão perigosamente extremadas. Irão ser desbravados caminhos com entraves profundos que abanarão as consciências dos mais velhos, resolutos em excomungar tamanha aberração.
E os mais novos, abertos a discutir este tema sempre preconceituoso. Repartindo-se entre os mais agarrados a uma mentalidade herdada das gerações mais antigas e dos restantes, esses sim, abertos a assumir e aceitar o casamento de dois seres do mesmo sexo, como uma consequência natural da vida.

1 comentário:

Carlos Santos disse...

Caro Nuno,

Por favor manda-me assim que possas um mail para csantos@porto.ucp.pt