sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

O Natal é Da Família



Os filhos gozam com as prendas e quando são instrumentos que elevam o barulho e os confinam a uma ideia, é bestial.
Um já tinha uma viola clássica, o outro teve uma guitarra eléctrica. E como os dois andam em musica é um toca daqui e um vira dacolá.
Um ensina o outro e o outro faz o que lhe mandam.
E numa tarde com lareira acesa e retidos em casa no calor e no acolhedor ambiente natalício, vivemos as incidências da consoada que verdade se diga foi um regalo para os corações e um elevar das paixões.
Tudo foi excelente, somos poucos mas criamos um ambiente único. Cedo nos resguardamos em casa e envolvidos nos doces tradicionais, juntamos a ajuda e cada um executa uma tarefa e conseguimos criar um ambiente harmonioso, que cativa quem por cá está.
São nozes para partir, pão para triturar e ovos para bater. No final embelezamos a mesa com as deliciosas rabanadas e os gostosos mexidos. Não faltando o bolo-rei e o pão-de-lo. Com chocolates em cada canto da mesa como milho para os pardais.
O bacalhau alto como o Cristo rei, faz a surpresa dos mais novos. É bacalhau para nunca mais ter fim e juntamente com a couve transmontana ainda com resquícios de neve recentes e a couve-galega das hortas das leiras da vizinhança da infância. Enchem as travessas e empanturram os estômagos esfomeados de quem vê o Natal com as tradições de gerações não muito distantes.
Depois de uma jogatana de poker, a valer rebuçados de Valdevez do tamanho do dedo polegar, onde o mais velho com galões de quem percebe do jogo (tomara, bate noitadas no poker via computador), aconchegamo-nos no sofá e com o bater das doze badaladas lá se inicia o ritual dos rasgar dos embrulhos para gáudio do miúdo que distribui as prendas e expectativa dos mais crescidos.
Uma e mais uma. São já duas mãos cheias a distribuir por cinco e chegamos à ultima, aquela que é dada pelo pai em conjunto com os filhos e desta vez o pai perde a cabeça e contempla a mãe com um conjunto de jóias que a deixa muda de espanto!
Custou-me os olhos da cara, mas como se perde a cabeça uma vez na vida, chegou a altura!
Todos ficaram de boca aberta. É realmente uma beleza!
Ainda agora a surpresa está bem vincada naquele rosto que já lá vão uns bons anos, me levou a ter a certeza de ter encontrado a mulher da minha vida.
Como me sinto feliz por a ver sem palavras por tamanha façanha de minha parte. Oferecer uma prenda que enche o olho é uma sensação única. Tomara, são objectos únicos e de valor que me vai levar anos a pagar. Mas quem merece tudo vale a pena, quando tem alma que enche o ar que respiro.
O Natal é tudo para mim!
É a Família reunida. A Paz envolvida. O Amor em cada olhar!

1 comentário:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Venho agradecer a visita e o simpático comentário que deixou no meu Rochedo.
Espero que tenha tido um Natal Feliz e desejo-lhe um excelente 2010.
Gostei de conhecer o seu blog e vou voltar com masi tempo depois das festas.